Archive Page 2

Aplicativos do Linux para o seu dia-a-dia

Nesse sábado passado (26), aconteceu em diversas cidades da América Latina o Flisol (Festival Latinoamericano de Instalação de Software Livre).

Participei do evento na minha cidade (Vitória) apresentando uma palestra em que mostrei alguns programas do Linux que utilizo comumente. Programas de áudio, vídeo, gráfico, internet, entre outros, que a galera costuma usar em atividades corriqueiras do dia-a-dia.

Disponibilizo aqui a palestra para a galera que queira anotar os aplicativos sugeridos.

A quem participou (ou não) do evento, não se esqueça de inscreve-se na lista do Linux-ES, para tirar dúvidas, pedir alguma ajuda sobre a instalação do Linux e elogiar ou criticar o evento.

Obrigado pela participação dos que foram! E quem perdeu, fiquem atentos aos próximos eventos!

Encontrei o primeiro bug no Ubuntu Hardy Heron

Com já é de tradição no Ubuntu, a versão 8.04 do Ubuntu (codinome Hardy Heron) tem esse nome por ter sido lançada no ano 2008 e no mês 4 (abril).

Mas parece que esse “bug” passou despercebido:

No programa “Canais de Software”, que gerencia os repositórios de software, a versão do Hardy Heron saiu como sendo 5.04!

Creio que esse problema não afetará a segurança do sistema. ;)

Limpando a fila de impressão do CUPS

O CUPS é um sistema de impressão muito usado no Linux, e é o que o Ubuntu utiliza para gerenciar as impressões feitas no sistema. É possível utilizá-lo para adicionar e remover impressoras, além de gerenciar a fila de impressão.

Às vezes acontece de, ao tentar imprimir algo, a impressão falhar e o trabalho ficar preso na fila de impressão. Quando outro usuário tentar imprimir, não conseguirá pois tem um trabalho travando a fila, e também não conseguirá cancelar a impressão pois foi outra pessoa que a iniciou. Mostrarei aqui como fazer para limpar de uma vez toda a fila de impressão através da interface web de gerenciamento do CUPS.

No Ubuntu 7.10, a configuração do CUPS é feita pelo system-config-printer (acessível via Sistema -> Administração -> Impressão). Entretanto, é possível configurá-lo diretamente pela sua página de configuração digitando em um navegador o endereço http://localhost:631/.

CUPS - interface de configuração

Para que um usuário possa fazer modificacões nas configuracões do CUPS (utilizando essa interface ou até mesmo o system-config-printer), é preciso que ele tenha permissão para isso, e uma maneira de lhe dar permissão é adicioná-lo no grupo lpadmin.

Para isso, acesse Sistema -> Administracão -> Usuários e Grupos. Se estiver utilizando o Ubuntu 8.04 (Hardy), clique em “Unlock” e digite a senha do seu usuário. Clique em “Gerenciar grupos”, selecione o grupo lpadmin e clique em “Propriedades”. Agora, é só selecionar o(s) usuário(s) que terá(ão) o privilégio de gerenciar o sistema de impressão.

Para limpar a fila de impressão, basta acessar o link http://localhost:631, clicar em “Printers” e, nas opcões da impressora, clique em “Cancel All Jobs”. Digite então um usuário que está no grupo lpadmin e a sua respectiva senha, apertando “OK” em seguida.

Um atalho para esse caminho é digitar de vez no navegador o endereco http://localhost:631/admin/?op=purge-jobs&printer_name=PDF.

Impressora HP 1020: fazendo-a voltar a funcionar

Tenho uma impressora HP Laserjet 1020 rodando no Ubuntu 7.10 (Gutsy) que de vez em quando empaca e pára de imprimir. Não adianta limpar a fila de impressão, reiniciar a impressora ou o computador. Às vezes ela volta a funcionar depois de um tempo, mas não consegui entender o motivo.

Eu solucionava isso removendo e adicionando novamente a impressora via Sistema -> Administração -> Impressão (Configuração da impressora, ou system-config-printer). Mas não estava satisfeito com essa solução (teria que ensinar esse procedimento para os meus pais).

Uma coisa que eu reparava quando ela emperrava era que seu estado, visto no system-config-printer, estava sempre como Stopped (parado), e não como Idle (ociosa), que seria o estado normal quando está aguardando uma impressão.

Futucando um pouco, percebi que, na aba “Políticas”, a opção “Habilitada” estava desmarcada. Foi só marcá-la e clicar em “Aplicar” para que o estado da impressora voltasse para Idle.

Habilitar impressora

Agora, toda vez que a impressora volta a emperrar (isso não soluciona totalmente o problema), eu realizo esse procedimento, não sendo mais necessário reinstalá-la.

Vou reportar esse bug no Launchpad e colo o link do report aqui.

PS: Lembrando que para instalar a HP 1020, aconselha-se utilizar o driver mais recente que está disponível em http://foo2zjs.rkkda.com. Siga esse procedimento para instalá-la.

Criando imagens ISO personalizadas

Caso você deseje criar um arquivo ISO personalizado no Ubuntu, ou queira modificar uma imagem ISO já existente, a solução é o KIso. Para instalá-lo, digite em um terminal:

sudo aptitude install kiso

Para criar um arquivo ISO, abra o KIso (ALT + F2 e digite “kiso” sem as aspas), clique no botão “Nova imagem” e aperte em “Não” para começar um arquivo vazio. Agora, basta ir adicionando os arquivos desejados.

KIso com arquivos pessoais

Ao terminar, clique em “Salvar imagem” e escolha o nome do arquivo e o local onde irá salvá-lo.

Caso queira, você pode modificar um arquivo ISO, como o de uma distribuição Linux, ou de um DVD. Para isso, abra o KIso, clique em “Abrir imagem” e escolha uma imagem para modificá-la. Então, adicione ou remova os arquivos desejados.

Outra característica interessante do KIso é que ele trabalha também com arquivos NRG, do Nero. Portanto, caso esbarre com uma imagem NRG algum dia, o KIso pode ser usado para convertê-la para ISO.

Habilitando a USB no VMWare

USB aparevendo no VMPlayer 2 (Resolucao menor)

O Ubuntu Gutsy (7.10) vem com um pequeno “feature” que não permite o uso da USB pelas máquinas virtualizadas no VMWare (vmplayer também), bem como por outros virtualizadores, como o VirtualBox.

Por algum motivo, as linhas que habilitam o suporte da porta USB para as máquinas virtuais estão comentadas. Para resolver esse problema, abra o arquivo “/etc/init.d/mountdevsubfs.sh” digitando o seguinte comando em um terminal:

sudo vim /etc/init.d/mountdevsubfs.sh

e procure pelo seguinte bloco de texto:

    #
    # Magic to make /proc/bus/usb work
    #
    #mkdir -p /dev/bus/usb/.usbfs
    #domount usbfs "" /dev/bus/usb/.usbfs -obusmode=0700,devmode=0600,listmode=0644
    #ln -s .usbfs/devices /dev/bus/usb/devices
    #mount --rbind /dev/bus/usb /proc/bus/usb

Basta agora descomentar (remover o caracter “#”) as últimas quatro linhas, resultando no seguinte texto:

    #
    # Magic to make /proc/bus/usb work
    #
    mkdir -p /dev/bus/usb/.usbfs
    domount usbfs "" /dev/bus/usb/.usbfs -obusmode=0700,devmode=0600,listmode=0644
    ln -s .usbfs/devices /dev/bus/usb/devices
    mount --rbind /dev/bus/usb /proc/bus/usb

Salve o arquivo e reinicie o script com o seguinte comando:

sudo /etc/init.d/mountdevsubfs.sh start

Agora, basta mudar a permissão de acesso à USB. Abra o seguinte arquivo:

sudo vim /etc/udev/rules.d/40-permissions.rules

e procure pelo seguinte trecho:

# USB devices (usbfs replacement)
SUBSYSTEM=="usb_device",        MODE="0664"

Modifique a opção MODE da seguinte maneira:

# USB devices (usbfs replacement SUBSYSTEM=="usb_device",        MODE="0666"

Salve o arquivo.

Agora é só abrir a sua máquina virtual e espetar um pendrive.

Fontes: Hamacker’s Palace e André Gondim.

Como me curei da LER

LER DORT

Existe uma doença que atinge muitas pessoas que trabalham utilizando computadores. Muitos a conhecem pela sigla LER (Lesão por Esforço Repetitivo), outros por DORT (Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho). Seja qual for o nome, o incômodo é o mesmo: uma dor em uma articulação do corpo que é utilizada exaustivamente durante o exercício da profissão.

O problema

No meu caso, e no da maioria das pessoas cuja profissão obriga a viver em frente ao computador, a articulação em questão é o punho. Foram anos, desde a infância, utilizando computador, além de outras atividades paralelas, como minha tentativa de iniciar no violão e na percussão — que fui impedido de continuar devido a LER, intensas redações devido ao pré-vestibular e atuações como goleiro. Com todas essas atividades forçando o punho, não deu outra: LER. A cada início de dor crônica, era uma ou duas semanas de molho, sem poder ter nenhum esforço nessa região. Até eu voltar a fazer tudo novamente, voltando também a dor.

Adotei então como meu companheiro durante essas atividades um tensor — aquela munhequeira que funciona como uma tala para manter a articulação na posição correta. Era só pintar a dor que eu o utilizava, seja para escrever, seja para utilizar o computador. Até que o tensor ajudava a disfarçar a dor, e por isso fiquei utilizando-o por alguns anos — mais precisamente, durante uns quatro anos. Mas a situação ficou insustentável com o decorrer da faculdade de computação que eu fazia.

O tratamento

Procurei então um ortopedista especializado em mão — na verdade, sempre ia a médicos, mas parecia que eles não se interessavam muito no meu caso. Com esse último médico, finalmente descobri o meu problema: sinovite no escafóide (bonito isso, não?), ou seja, uma inflamação no líqüido sinovial em um osso da mão. Ótimo! Já tinha o diagnóstico, agora é só tratar! E lá se foram sessões de fisioterapia. Novos exames, e outro diagnóstico: um cisto na mesma região. Mais fisioterapia, mas o problema persistia: após algum esforço, o cisto voltava a incomodar. Tentei então acupuntura, mais fisioterapia e até infiltração de corticóide. Nada.

A cura

O médico já olhava para mim com cara de pena, não sabendo mais o que fazer. Até que ele deu a última cartada: na sala ao lado, uma médica realizava sessões de terapia de mão — não me pergunte por que ele não havia indicado isso antes. Lá fui eu, desacreditado, para mais uma tentativa. Cada sessão durava trinta minutos, e era dividida em duas etapas: na primeira, realizava-se dez minutos de alongamento em ambas as mãos. Na segunda, realizava-se pequenos exercícios para fortalecer a região, como ficar beliscando massinha de modelar (vocês têm idéia do quanto isso cansa?), movimentos de trancar uma porta e levantamento de pequenos pesos. Na prática, esses exercícios simulavam atividades corriqueiras do nosso dia a dia.

Fiz por um mês essas sessões de terapia de mão, e eu não pude acreditar o quanto esse período foi importante. Em duas palavras: estava curado! O responsável? Acredito que foi o alongamento. Após parar de ir às sessões, continuei alongando o punho como havia aprendido, e aos poucos fui tomando coragem de parar de usar o tensor. Não sentia mais dor, e parecia que eu poderia finalmente escrever e utilizar o computador normalmente. Contudo, havia um porém.

A prevenção

Após acabar com um problema, parece que o ser humano esquece de voltar atrás e refletir sobre o porquê do problema ter aparecido. No meu caso, a LER não surgiu simplesmente pelo esforço repetitivo de um movimento, mas também devido ao esforço repetitivo não respeitando os limites do corpo, seja pelo tempo constante que fiquei realizando o movimento, seja pelo posicionamento do meu corpo durante sua realização.

A palavra-chave era ergonomia (valeu, Thiago!). Utilizava o mouse e o teclado sem deixar as mãos na posição correta — com a parte de cima da mão alinhada com o antebraço. Para solucionar esse problema, troquei o tensor por dois outros companheiros: um apoio de braço para usar o teclado e outro para usar o mouse. O primeiro é uma barra em gel que fica em frente ao teclado, e o segundo muitas vezes é vendido junto com o mouse pad. Vocês podem encontrá-los facilmente em uma loja de informática.

Apoio tecladoApoio mouse

Não se esqueçam de dar um descanso para as mãos após algumas horas de uso do computador e de outra parte do corpo que também sofre muito: o pescoço. Posicione o monitor de forma que o pescoço fique praticamente alinhado com a coluna e não o force a ficar olhando para baixo — estou sofrendo com isso agora.

Conclusão

Para fazer com que a dor sentida devido à LER parasse, adotei duas medidas simples: alongamento e ergometria. Todo dia pela manhã, paro por alguns minutos para alongar os punhos, e tenho em casa e no trabalho os apoios para braços necessários para uma boa postura durante o uso do computador.

Não falei como realizar o alongamento pois acredito que isso deva ser ensinado por uma pessoa mais especializada. Já vi muita gente alongando de forma errada — principalmente quando fica puxando os dedos pra trás. Busque um fisioterapeuta, ou um professor de educação física, pois estes são pessoas mais indicadas para lhe dar tal instrução.

Todas essas dicas dadas foram baseadas em experiência própria, mas o principal conselho é: busque um profissional.


Feed RSS completo

Arquivos


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.