Archive for the 'Software livre' Category

Aplicativos do Linux para o seu dia-a-dia

Nesse sábado passado (26), aconteceu em diversas cidades da América Latina o Flisol (Festival Latinoamericano de Instalação de Software Livre).

Participei do evento na minha cidade (Vitória) apresentando uma palestra em que mostrei alguns programas do Linux que utilizo comumente. Programas de áudio, vídeo, gráfico, internet, entre outros, que a galera costuma usar em atividades corriqueiras do dia-a-dia.

Disponibilizo aqui a palestra para a galera que queira anotar os aplicativos sugeridos.

A quem participou (ou não) do evento, não se esqueça de inscreve-se na lista do Linux-ES, para tirar dúvidas, pedir alguma ajuda sobre a instalação do Linux e elogiar ou criticar o evento.

Obrigado pela participação dos que foram! E quem perdeu, fiquem atentos aos próximos eventos!

Anúncios

Terminal na mão com o Yakuake

Um aplicativo que para mim é essencial é o Yakuake. Ele é um terminal que aparece na tela ao apertarmos uma tecla de atalho, retraindo-se novamente ao se utilizar o mesmo atalho. Ele é ótimo quando precisamos utilizar algum comando, ou ter acesso rápido a um terminal.

 Yakuake

Por padrão, a tecla de atalho para fazê-lo aparecer/desaparecer é a F12. Pode-se redimensionar a altura e a largura do terminal utilizando os atalhos Alt+Shift+[uma tecla direcional]. Assim, por exemplo, para aumentar a altura do terminal, eu faço Alt+Shift+Seta para cima.

Aconselho iniciar o Yakuake junto com o Gnome/KDE para ele estar sempre na mão. Para fazer isso no Gnome, vá em Sistema -> Preferências -> Sessões e adicione uma entrada para ele, utilizando o comando yakuake.

iniciando com o gnome

Para instalá-lo, faça:

sudo aptitude install yakuake

Mudando a codificação de vários arquivos de uma só vez e convertendo de tex para RTF

Havia acabado de escrever a minha monografia e precisava mandar o texto para o meu orientador, para que ele fizesse os devidos comentários. Mas eu escrevo em Latex, e ele não é muito fã disso (vai entender…). Gosta de editar os textos no Word.

O que fazer? Procurando nos repositórios do Ubuntu 7.10, achei o latex2rtf. Um programa que converte arquivos do formato tex para RTF. E o que isso tem a ver com codificações? Simples: o arquivo tex tem que estar na codificação latin1 (ISO 8859-1) para que a acentuação saia correta no arquivo RTF. Só que eu uso utf8.

Googlando, encontrei o recode, que também está nos respositórios do Ubuntu, e uni essa solução com a dica do fechaTag de uso do comando find com o parâmetro -exec, pois minha monografia está dividida em vários arquivos. Resultado:

find . -name "*.tex" -exec recode utf8..latin1 {} ";"

Rodando o comando acima no diretório da minha monografia, todos os arquivos de extensão tex ficarão com a codificação latin1.

Para gerar o arquivo RTF, basta executar o comando:

latex2rtf monografia.tex

Sendo monografia.tex o arquivo latex mestre, que contém geralmente o preâmbulo.

O resultado não foi perfeito. Primeiro, porque estou usando a classe da ABNT, e ele ignorou muitos comandos, como \autor e \orientador. Segundo, porque as figuras ficaram um pouco desproporcionais. E terceiro, porque palavras-chave como Chapter e References não foram traduzidas para o português, mesmo usando o parâmetro -i brazil.

Mas tirando esses detalhes, o latex2rtf serviu muito bem para o que eu queria!

Taí! Duas dicas em um post. 😉

Inclusão digital com software proprietário incentiva a pirataria

Inclusão digital

Tenho uma opinião em relação ao uso de softwares proprietários para inclusão digital que alguns talvez considerem que eu seja xiita, ou que esteja cegamente defendendo o uso de softwares livres, mas que para mim é um pensamento bastante natural.

Quem é o público alvo das campanhas de inclusão digital? Visando qual setor da sociedade as prefeituras e governos estaduais e federal criam telecentros? Eu já trabalhei em um laboratório de inclusão digital, e convivia diariamente com pessoas de classe baixa, de bairros carentes, que não tinham computador em casa e iam aos sábados e aos domingos até o laboratório para acessar o Orkut e jogar os seus joguinhos online.

Mantendo ou trabalhando em telecentros, as pessoas devem ter muita responsabilidade (e paciência ;), pois estamos permitindo que muitos tenham os primeiros contatos com computadores, com programas e com a Internet, e tudo o que for passado nesses primeiros contatos vão marcá-las muito. O que aconteceria se ensinarmos, ou passarmos essa idéia, que sistema operacional é igual a Windows? E que editor de texto se chama Word? Elas só vão querer utilizar tais ferramentas, pois foi com elas que tudo foi aprendido.

As pessoas carentes, graças à política de inclusão digital do Governo Federal, estão tendo a possibilidade de comprarem, parcelando em não sei quantas vezes, seus primeiros computadores. Tudo isso com muito esforço.

Bom, tendo o computador em casa, agora é só usar! “Cade o botão Iniciar? E a internet, aquele botãozinho azul? Nossa, se eu já tive dificuldade em aprender com aquele outro sistema, imagina com esse tal de Linux que veio instalado. Vou ligar pro meu sobrinho que entende de informática para vir instalar o Windows aqui.” Alguém duvida desse cenário? Eu não só acredito, como já vi e já me ligaram diversas vezes para isso.

Pessoal, será que pessoas carentes terão dinheiro para comprar uma licença do Windows? Ou uma licença para o MS Office? Ou irão piratear ambos? E de quebra, “Tia, eu tenho o Photoshop aqui para você recortar as fotos. Quer que eu instale?”. Todos nós não só já sabemos a resposta, como convivemos com essa realidade.

E é por isso que eu afirmo que realizar inclusão digital com software proprietário é incentivar a pirataria. Os governantes sabem, ou deveriam saber, da responsabilidade que têm ao dar a primeira oportunidade para muitas pessoas utilizarem um computador.

Concordam com essa opinião? Vêem algum furo nesse pensamento?

Buscando no Gmail pelo buscador do Firefox

Gmail search plugin no Firefox
O Firefox tem uma grande funcionalidade que para mim é essencial: um mecanismo de pesquisa que possibilita que façamos buscas em diversos sites, sem precisarmos nos dirigirmos a eles para só então realizarmos a pesquisa. Por padrão, a busca é feita no Google, mas podemos utilizar outras ou criarmos a nossa.
O que eu fiz foi um searchplugin para a nova versão do Gmail. Assim, não é mais preciso abrir o Gmail para então buscar por emails. Para uma busca mais eficiente, utilizem os operadores avançados de busca do Gmail.
O plugin pode ser baixado aqui. Se você usa Linux, basta movê-lo para ~/.mozilla/firefox/[perfil atual]/searchplugins. Ou mova para /usr/share/firefox/searchplugins, para ficar disponível para todos os usuários da máquina. É necessário reiniciar o Firefox para que o plugin apareça. Quem quiser dar uma dica de como instalar esse plugin em outros SOs, só postar nos comentários. Mas uma dica para os usuário de Windows é dar uma lida aqui.
Em qualquer página, use a tecla de atalho CTRL+K para acessar os mecanismos de busca e CTRL ou ALT + [setas direcionais cima/baixo] para selecionar o mecanismo de busca (no caso, o do Gmail) — ou usem o mouse mesmo! =) Quem quiser fazer o seu próprio mecanismo de busca para o site desejado, dê uma lida em Creating OpenSearch plugins for Firefox.
E quem quiser disponibilizar o mecanismo de busca do seu site para que outras pessoas adicionem facilmente, basta adicionar na seção <head> de sua página a seguinte linha:
<link rel=”search” type=”application/opensearchdescription+xml” title=”TÍTULO DO MECANISMO DE BUSCA” href=”ENDEREÇO DO ARQUIVO XML”>
Mecanismo de pesquisa - adicionar youtube
Dessa maneira, ao entrarem em seu site, o Firefox irá avisar que existe um mecanismo de busca para ele — repare na figura acima tal funcionalidade no Youtube. Basta clicar no ícone e pedir para adicionar o searchplugin oferecido pelo site.

Feed RSS completo

Arquivos